Tabela
Convidado

I.
II.
III.
IV.
V.
O mundo bruxo parece entrar em um novo conflito. As coisas diferiam completamente do que acontecera nas guerras bruxas. Sim, o caos estava começando a se fazer presente outra vez, devido a uma profecia vivenciada por Hermione Jean Granger-Weasley e Harry Tiago Potter. Resta ao mundo conseguir manobrar os problemas e mais uma vez se tornar pacífico, o que parece ser extremamente dificultoso.
ambientação e tramas
Últimos assuntos
» Avisos dos Jogadores
Qua Mar 08, 2017 7:20 am por Hadassa Störmberg

» A Night to Remember
Sex Mar 03, 2017 11:13 pm por Sollaria Vezzini Vause

» Uma dupla de três
Sex Mar 03, 2017 1:44 pm por Alexis Collin Störmberg

» Brotherhood
Qui Mar 02, 2017 11:06 pm por Curtis Bonham Störmberg

» We've Got Tonight
Seg Fev 27, 2017 5:53 pm por Scarlet Vezzini Vause

» Before you start a war, you better know what you're fighting for
Sab Fev 25, 2017 10:48 pm por Katherine Hartmann

» Village - Londrês
Dom Fev 19, 2017 6:01 pm por Dante Strider Rolstroy

» Flood 1.0
Sab Fev 18, 2017 6:04 am por Fernanda Nogueira

» Testes Gráficos
Seg Fev 13, 2017 7:53 am por Bess Louise Vengeance

Parceiros
Parceiros (01/40)
:: Topsites Zonkos - [Zks] ::
Parceiros Elite (00/05)
Gráficos (00/10)

A Night to Remember

Novo TópicoResponder ao tópico

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Mensagem por Sollaria Vezzini Vause em Qua Mar 01, 2017 3:04 pm







A Night to Remember







Morar em Londres estava sendo surpreendente interessante para a loira que estava acostumada com a elite de New York, tinha ido para a Europa em busca de um novo começo, precisava se achar, precisava deixar o passado para trás e jamais esqueceria dos erros que tinha cometido. Decidiu que deixaria para trás a família louca que tivera, as drogas e o maior responsável pelo surto que ela tivera no verão passado, Iulian. A escolha de país se deu necessariamente por causa de uma pessoa, uma única pessoa em particular que tinha o coração de Sol e todo seu amor, seu melhor amigo, Thomas. Se conheceram na escola e desde então eram inseparáveis, viveram por escutar rumores de que eles eram perfeitos um para o outro, mas ambos sabiam que aquilo ali era nada mais nada menos que uma linda e complexa amizade.


Naturalmente depois que Sol saiu do hospital e conversou com sua mãe, tinha decidido que iria sair dos Estados Unidos e procurar recriar a imagem que Lily tanto zelava em outro canto, então, nada melhor do que unir o útil ao agradável e rever o amigo que tanto amava. Para sua surpresa Thomas a convidou para morar com ele, ele sentia que ela precisava de alguém e como negar tal oferta? Ainda mais com aquela vista e aquela cobertura que ele possuía, e com esse pequeno convite a vida dela passou a tomar outro rumo. Já se sentia em casa, já tinha feito algumas mudanças naquela decoração blase e totalmente neutra e tipicamente masculina, aquele lugar precisava de um ânimo de mais vida, ou, como Sol gostava de dizer um toque feminino. Naquela noite especificamente ela tinha planos, de sair para beber e dançar com o amigo, ela queria conhecer as melhores festas, os melhores bares e com sorte as melhores pessoas, que de preferência não ficassem atrás dela pela fama que ela detinha.


Já tinha colocado seu vestido frente única dourado, o cabelo, ela amava deixar solto mais no estilo bagunçado e estava preparando alguns drinks no bar pessoal de Thomas quando ele chegou em casa, ultimamente ele andava totalmente distraído, tristonho e irritado, algo sobre trabalho e alguém preso, o pior, era que ele não conversava com ela sobre e aquilo a deixava incomodada, estava até surpresa que ela não teve que ir até o trabalho dele arrastá-lo aquela noite - Bem vindo querido - disse toda animada e sorridente entregando uma bebida a ele - Hoje você vai cumprir sua promessa de me levar para sair e eu não vou aceitar um não como resposta - disse com sua cara mais fofa possível, misturada com o ânimo e o sorriso que ela nunca conseguia guardar - De verdade, você ficar em casa apenas vai te trazer pensamentos e coisas do trabalho que você insiste em não me falar, se distrair será bom e outra eu não conheço nada por aqui ainda, você vai mesmo me deixar sair sozinha? - apelou para o sentimental, ela queria ajudar o amigo, nem que seja em ter uma noite boa, desde o tal discurso da ministra lá que morreu ele andava estranho, e tudo piorou no dia que ele e Karitza conversaram.


Se dirigiram para um festa em um lugar que Sollaria jamais iria localizar, ela não conhecia nada mas estava totalmente empolgada abraçada em Thomas enquanto andava - Como os velhos tempos não? Ainda me lembro da última vez que saímos juntos, faz o que? uns 5 anos atrás quando vim te visitar, nossa você estava saindo com aquela mulher, ai esqueci o nome dela, mas enfim, ainda bem que você percebeu que não era nada sério, ela era péssima - disse parando na frente dele arrumando a camisa que ele usava - Agora está perfeito, tenho certeza que você terá filas e filas de pretendentes hoje e como eu estou? - perguntou  parando na frente dele sorrindo e segurando seu braço com a resposta. O lugar estava cheio, música estava animada - Não é que vocês sabem como dar uma festa não é mesmo - olhou em volta analisando as pessoas, estava totalmente animada como se nada pudesse estragar sua noite, algumas pessoas a encaravam, tiravam fotos nada que ela não estivesse acostumada, mas admitia que estava um pouco cansada daquilo tudo, caminhou em direção ao Camarote do lugar, afinal, fama tinha suas vantagens, conseguindo assim um espaço para que ela pudesse sentar e pedir algo para beber - O que foi? - disse o encarando quando pegou a cartela de bebidas - Eu não vou exagerar essa noite, prometo - disse por fim fazendo seu pedido - Um cosmopolitan por favor - escutou Thomas pedindo, quando seus olhos ficaram em transe, era uma brincadeira de muito mal gosto do destino, ela piscou algumas vezes encarando o homem no seu campo de visão, no caso Iulian.


Respirou fundo, quando o notou a encarando, deu um leve sorriso, mas não um simpático, um que já tinha começado a planejar o resto da sua noite. Alguns anos atrás ele a tinha abandonado sem mais nem menos o mais triste é que Sol realmente gostava dele e quando ele desapareceu seu mundo tinha sido destruido, e agora, ela o encontrará em uma festa rodeado de mulheres, a cena em si revirou seu estômago, mas se tinha algo que ela era boa, era em provocar e dar a volta por cima e ele não faria a menor ideia do que teria o acertado - Um minuto, ja volto - disse para Thomas se levantando, depositando um beijo em seu rosto, de forma um pouco provocativa e andando na direção que ele, a pior pessoa do mundo, se encontrava, mas passou diretamente por ele, indo até o bar - Pode deixar que eu espero nosso pedido e o levo para mesa - disse para o garçom, apenas parando por ali trocando alguns sorrisos com alguns caras que ela a olhavam, encarou uma última vez o rapaz com seu tipico olhar de “game on”.






Word: | Tags: | Note:




Thanks Diih!




Última edição por Sollaria Vezzini Vause em Qua Mar 01, 2017 10:25 pm, editado 2 vez(es) (Razão : ×)
Sollaria Vezzini Vause
Adultos
Galeões : 751

avatar
Adultos

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem por Thomas Ellsworth em Qui Mar 02, 2017 2:33 pm
I'm not a cop tonight
953 words for Sollaria & Iulian



Os dias após os acontecimentos no Ministério da Magia não foram fáceis para Thomas, principalmente depois de tudo o que aconteceu e acima de tudo com a prisão de Katherine. O quartel general dos aurores parecia estar fervendo, tentando se ajustar da melhor maneira possível a tudo aquilo e com as novas ordens vindas de Lorenzo. O Ellsworth ainda não entendia o porquê de Maisa ter indicado o homem ao cargo e parecia que nunca entenderia, já que a única pessoa confiável o suficiente para que pudesse fazer essa pergunta e receber uma resposta verdadeira havia morrido com uma maldição da morte na cara enquanto ele a protegia. Com um estampido rápido e agudo, o auror desaparatou num beco próximo ao seu apartamento. O vácuo produzido foi dispersado de tal maneira que algumas latas de lixo ameaçaram cair, porém com um rápido aceno da varinha de cipreste elas permaneceram firmemente pregadas ao chão. Thomas caminhou rápido até o seu prédio, passando pelo porteiro com um leve sorriso. – Stewart. – Cumprimentou, movendo a cabeça rapidamente e logo entrando dentro do elevador.

Abriu a porta de seu apartamento e não muitos passos depois que fechou a porta ouviu uma voz feminina lhe dando boas vindas, se assustou por alguns milésimos de segundos e pensou em arrancar sua varinha e lançar um feitiço estuporante, mas então seu cérebro lembrou seu instinto que ele já não morava mais sozinho. Quando seus olhos se fixaram na imagem de Solaria, não pode deixar de ficar estonteado com tamanha beleza. – Dourado ou vermelho sempre caíram bem em você. – Seu tom de voz foi calmo e tranquilo, pegou a bebida que foi oferecida a ele, cheirando o copo para saber o que realmente tinha ali dentro, bebendo uma singela quantidade e o depositando em cima da mesa. Thomas começou a tirar seu sobretudo enquanto ouvia as palavras da mulher, o forçando a cumprir uma promessa que fez antes de todos aqueles coisas ruins acontecerem. Gostaria de admitir que ela tinha feito bons argumentos, mas não queria reforçar esse tipo de comportamento persuasivo para cima dele, então se calou. A encarou por longos minutos até que finalmente a resposta veio. – Tudo bem, tudo bem, eu saio com você. – Deu um pequeno sorriso que logo desapareceu, logo continuando. – Mas se você desaparecer da minha vista, eu irei ficar extremamente bravo. – Terminou fazendo a cara mais séria/divertida que conseguiu. Talvez realmente se livrar por algumas horas de todo o horror que estava vivendo seria benéfico para sua mente.

Algumas horas depois os dois já estavam se direcionando para uma casa noturna em Soho, próxima ao Soho Square Gardens. Aquele não era o lugar preferido de Thomas quando era mais novo, gostava mais de alguns lugares em Westminster, porém se lembrava de muitos bons momentos que teve ali. Geralmente trouxas não iam naquele local, então dava sempre para encontrar alguns outros tipos de criaturas sentadas nas mesas e isso fazia com que o chefe dos aurores ficasse fascinado com a diversidade. Seu lado corvino despertava sempre. Enquanto se aproximavam da porta de entrada sua atenção voltou para Solaria, que estava agarrada ao seu braço esquerdo. – Maya tinha seus privilégios, mas realmente não compensava as desvantagens. – Comentou sobre uma pessoa que ele já praticamente não se lembrava, achou estranho, mas ignorou completamente e as memórias sobre a ex-namorada foram embora tão rápido quanto vieram. Pararam na porta do estabelecimento, mas do lado de fora parecia que tudo estava em completo silencio. Riu ao comentário da amiga enquanto a mesma arrumava sua camisa, logo dizendo com uma voz divertida. – Não procurarei tais pretendentes e você está espetacular, como sempre. – Não esperaram muito e adentraram.

A música estava boa e o lugar estava quase que completamente lotado, Thomas reconheceu alguns rostos aqui e acolá, mas não era ninguém que ele tinha amizade ou que realmente tinha falado algum dia. Foram diretamente para o camarote, se sentando em uma mesa não muito tempo depois. Os olhos do auror observaram Sollaria pegar o cardápio de bebidas e não pode conter uma cara de que estava julgando se aquela decisão realmente seria sábia, ela percebendo e perguntando logo depois, fazendo um comentário de que não iria exagerar. – Espero que não exagere mesmo, por mais divertido que seja eu não quero lidar com uma Sollaria bêbada hoje. – Riu um pouco, mas logo depois parou percebendo que o garçom já estava esperando o pedido. – Um Macallan Royal puro, por favor. – Disse enquanto observava os olhos da loira mirarem uma pessoa não muito longe de onde eles estavam, seguiu a trajetória e encontrou uma pessoa que o Ellsworth já estava acostumado a ver nos arquivos dos aurores. Não estava nos arquivos por ter sido preso muitas, mas justamente pelo contrário. O homem ia falar alguma coisa, mas recebeu um beijo no rosto dela e a viu se distanciar. Não sabia o que estava ou o que tinha rolado entre os dois, mas sabia que não poderia deixa-la mergulhar nisso sem um aviso.

Alguns minutos depois a mulher voltou com as bebidas e com um sorrisinho no rosto, Thomas pegou seu copo e bebeu um pouco esperando que ela se acomodasse. Quando isso aconteceu, começou a perguntar. – Se divertindo com seu novo amigo? – A expressão do auror não estava séria, mas sua voz passava uma impressão de que o assunto era de extrema importância. A encarou, mantendo contato visual a todo instante. – De onde você o conhece? – Tinha até medo de qual seria a resposta, mas mesmo assim perguntou. A música de fundo foi lentamente diminuindo o volume enquanto outro já começava sem parar, os olhos de Thomas ainda mantendo contato visual enquanto ouvia as respostas para suas perguntas e formulando outras que faria mais tarde.
Thomas Ellsworth
Chefe Auror
Galeões : 993

avatar
Chefe Auror

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem por Iulian Hënzollern em Sex Mar 03, 2017 2:24 pm



A night to remember
Iulian seguia sua rotina costumeira. Algo agitado e muito divertido a seu ver. Ninguém era considerado o seu chefe, assim como ninguém precisava ser o seu subordinado. Após algumas entregas realizadas em Londres e Bristol, feitas adiantadamente segundo o cronograma demonstrava, retornou a residência que dividia com outros mercenários e sua irmã. Não poderia considerar aquela casa como sendo sua, visto que não possuía total privacidade, mas isso logo mudaria. A vida estava ficando mais simples com o passar do tempo, e com o dinheiro que guardava secretamente, Iulian poderia finalmente mudar-se. Queria dar o melhor para a sua irmã, e é claro, poder fazer tudo o que tivesse direito na nova moradia. Como, por exemplos, festas temáticas. Festas não eram permitidas naquele local que agora morava, e isso o desestimulava. Não é como se fosse alguém viciado em festas, mas prefere organizar as próprias, a ter que procurar alguma balada que preste em toda Londres. Geralmente se decepciona, e nunca chega ao nível esperado de diversão que imagina. São muito restritas e cheias de regras. Não há espaço para suas brincadeiras ou certos momentos ilícitos de maneira mais aberta. Tudo tem que ser debaixo dos panos.
Não havia dia ou hora para fazer o que gostava. Poderia ser sexta, ou segunda-feira. Iulian gostava de sair à noite e embebedar-se. Esquecer-se de certos arrependimentos do passado, e mais uma vez tentar apagar aquela mulher de sua mente. Havia a abandonado há alguns anos, porém não conseguia esquece-la. A abandonará sem nada dizer, pois era o que considerava o certo a fazer. Como alguém de boa índole, com uma família rica e bem apessoada, poderia viver com alguém tão sem rumo e cheio de segredos? Certas coisas eram melhores se mantidas no fundo do baú, como o seu passado e sua situação nada legitima. Talvez algum dia pudesse procurar um emprego, viver dentro da lei e se casar, mas aquele dia de certo demoraria. Não poderia fazer Sollaria perder tempo com alguém sem futuro e tão problemático quanto ele. Sentia, bem lá no fundo, que havia feito um favor para aquela mulher. Agora Sol poderia encontrar pessoas de verdade, pessoas que a proporcionariam uma boa vida. Sem altos e baixos. Sem segredos macabros e periculosidade. Sem perseguições com Aurores, ou ameaças feitas pelos comensais da morte. Iulian, ao menos até conseguia uma situação estável não vivia, apenas sobrevivia.
Todos esses problemas só conseguiam ser apagados de sua mente com boas doses de vodka, e musica estourando seus tímpanos. E era o que pretendia fazer aquela noite. Não ficaria em casa, afinal sua irmã estava em Hogwarts e conversar com um bando de marmanjos não era a sua imagem ideal de diversão. Após uma breve refeição, preparada as pressas com os poucos ingredientes que ainda restavam na velha geladeira da cozinha comunitária, subiu até o seu quarto para arrumar-se. Separou algo não muito casual e nem tanto desleixado. Algo que pudesse sinalizar que não era uma pessoa careta, e também chamar a atenção de seus velhos clientes. Colocou a roupa sobre a cama de solteiro do seu quarto duplo, e seguiu em direção ao banheiro. Nada muito luxuoso, mas confortável em demasia. Uma banheira média, que servia para retirar do corpo as pragas da manhã, e deixa-lo revigorado para uma noite inteira. Permaneceu ali por alguns minutos, mirando o teto. Pensava em como sua vida poderia ter sido diferente, caso não tivesse que fugir de casa. Seus pais eram as piores pessoas que conhecera nesse mundo, e eternos responsáveis por sua vida de fugitivo. Mesmo adulto, algumas marcas não poderiam ser apagadas, e por isso Iulian chorava silenciosamente, como todos os dias.
Deixou o banheiro com a toalha enrolada na cintura, e outra menor enrolada em seus cabelos. Não precisava demorar muito, afinal, fazia um estilo mais rebelde e desinteressado. Já em seu quarto, deparou-se com uma das mercenárias novatas. – Opa, opa. O que está fazendo aqui? O seu quarto fica do outro lado. – Disse observando-a de cima a baixo. Até que a garota era bonita, mas nada diferente. Nada que fizesse o seu coração disparar. Isso, apenas uma mulher conseguirá fazer até hoje. A garota ficou observando seu corpo desnudo por tempo demais, o que fez Iulian sorrir malicioso, e manda-la sair do quarto antes que a mesma o atacasse. – Preciso me trocar... Mas se está assim tão interessado em mim, vá se arrumar. Vamos para uma balada hoje. Agora para de me secar, senão eu ficarei desnutrido garota. – Falou com o tom meio sarcástico, meio divertido. Não sabia porquê a garota estava em seu quarto, mas desconfiava que logo descobriria. Não tinha tempo para joguinhos, e por isso seria bem rápido e direto quando fosse tocar nesse assunto. Iulian não era uma má pessoa, mas gostava da sua pequena privacidade. Seu quarto era o seu lugar, e ninguém poderia entrar assim, sem antes avisa-lo. Apenas sua irmã tinha esse direito, e mesmo assim a garota sempre fazer questão de bater na porta.
Sem mais delongas, terminou de arrumar-se. Estava pronto para uma noite de prazeres e loucuras. Em seus bolsos internos escondeu algumas drogas ilícitas, e também a sua varinha. Nunca se sabe quanto encontrará algum bruxo, ou qualquer pessoa que esteja querendo captura-lo para obter alguma recompensa. Contudo, já estava hábil e confiante o suficiente. Muitas notícias sobre a sua procura já haviam saído no Profeta Diário. Contudo, ninguém conseguirá pega-lo até agora. Tinha algo a seu lado, diferentemente dos outros mercenários. Iulian tinha algo a perder: sua irmã. Então não deixaria que o capturassem tão facilmente. Chegou a sala, e assentou-se no sofá. Felizmente a garota não demorou muito para aparecer. – Se você demorasse mais alguns minutos, teria que ir sozinha. – Sussurrou em seu ouvido, já aparatando para longe dali. A boate parecia movimentada. Porém, Iulian conhecia os donos e não precisou esperar na fila. – Viu, porque você deu sorte de não vir sozinha? – Comentou convencido, colocando os braços em seu ombro, e caminhando para dentro do recinto. Logo as luzes neon tocaram-lhe a face. Era revigorante esse ar. O homem dirigiu-se a área vip, onde algumas garotas o esperavam. – Ei meninas, tudo bem? Falem oi para a minha amiga. – Pediu com uma cara angelical incomum. – Ah, e para darem boas vindas a ela, quem se propõe a pegar algumas bebidas para nós?
Muitas das garotas levantaram seus delicados dedos. A maioria sempre brigava para ver quem chamava mais atenção de Iulian. Isso o fazia rir, de maneira muito cafajeste. Se não poderia ter Sollaria, porque havia decido fazer uma escolha por ela, então gostaria de ter todas e não se apegar. Assim que retornaram com as bebidas, Iulian ofereceu uma a sua amiga mercenária e a outra tomou para si. Bebericou um gole, e observando a procedência da bebida, virou todo o restante de uma vez. Sentiu o liquido arder em sua garganta, e isso o estimulava. Levantou-se do sofá, e pediu atenção das garotas. Estava prestes a anunciar que havia levado consigo as drogas que elas tanto almejavam, quando avistou ELA. Sim, a Sollaria de seus sonhos. A mulher que havia deixado nos Estados Unidos sozinha, sem nem mesmo se despedir. Olharam-se mutuamente. Iulian possuía uma mistura de tensão, surpresa e alegria ao fitar aqueles olhos profundos. Seu corpo parecia ainda mais fenomenal do que conseguia se lembrar. Parecia mais viva e deslumbrante. Aquela roupa caia perfeitamente bem em sua silhueta. Então uma das garotas pulou em seus braços, o fazendo desviar daquela mulher. Sollaria estava acompanhada de um dos aurores, e este não parecia feliz em ver Iulian. Tentou não se concentrar naqueles dois, e sim nas garotas a sua volta. – O que eu estava dizendo mesmo? Ah é, eu trouxe algo para vocês. Quero ver quem consegue minha atenção para ganhar isso. – Disse. As meninas o assentaram, e começaram a dançar para o homem. Ele as olhava, mas sua mente não estava ali. O homem havia se irritado. Estaria Sol namorando aquele Auror? O que ela estava fazendo em Londres?


Iulian Hënzollern
Mercenários
Galeões : 758

avatar
Mercenários

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem por Sollaria Vezzini Vause em Sex Mar 03, 2017 11:13 pm





A Night to Remember





Sorriu e agradeceu o garçom pelas bebidas e com isso se dirigiu ao seu lugar com Thomas a encarando, mas apenas em silêncio se sentou o encarando - Que foi - perguntou tomando um gole de seu drink, observando novamente o ambiente, honestamente ela não esperava esbarrar nele, pelo contrário passou anos para superá-lo, teve que falar com alguns psicólogos, ela se sentiu devastada por ele desaparecer, no começo ficou preocupada demais achando que algo tinha acontecido e depois aceitou a verdade nua e crua de que ele simplesmente não queria saber dela mais e decidiu sumir - Longa história - sibilou engolindo mais a bebida, ela não podia beber tão rápido os drinks ou poderia perder um pouco o controle. Por mais que ela tentasse, não negava que se pegava o olhando com outras e aquilo a deixava bem irritada afinal, ela era Sollaria Vezzini Vause, não era qualquer uma fácil para ele adicionar na lista - Ta, já que você insiste, mas promete não me julgar? - perguntou séria e um pouco abalada.

Falar desse período era difícil, ainda mais para Thomas, a pessoa que Sol mais admirava no mundo, sempre foi assim, ela o colocou em um pedestal absurdamente alto e ele sempre cumpriu para viver as expectativas e ela meio que se envergonhava de não ser metade da pessoa incrivel que seu melhor amigo era - Eu o conheci nos Estados Unidos, em Nova Iorque mesmo, ele frequentava os lugares que eu curtia e bem nos conhecemos e acabamos nos envolvendo, mas depois de uns meses ele simplesmente sumiu - ela mexia no cabelo, bebendo o resto da bebida dela olhando novamente para ele - sabe, é meio idiota eu falar isso eu sei, mas eu realmente gostava dele sabe? Eu nunca me senti apaixonada por ninguém antes e eu achava que ele poderia ser alguém especial na minha vida, nos divertiamos muito juntos e tivemos incríveis histórias mas eu acho que era apenas importante para mim - abaixou a cabeça totalmente triste, afinal, ela odiava admitir isso para alguém - Você mais do que ninguém sabe como sou péssima para lidar com minhas emoções e como sou meio autodestrutiva, então digamos que não lidei da melhor forma ser rejeitada de novo - Se levantou e sentou ao lado dele segurando sua mão - Sabe, me responda algo, o que tem tão de errado comigo que faz todo mundo me deixar? Meu pai, meus irmãos, bem Iulian - manteve a cabeça um pouco baixa, pois era algo muito delicado, ela nunca soube muito de seu pai, Scarlet tinha decidido viver a vida dela a deixando de lado totalmente, sobrou apenas ela com a mãe e os holofotes não era de se esperar que ela não conseguisse lidar com a pressão.

Era impossível não soltar um sorriso com as palavras que ele dizia, de certa forma, ele sempre sabia o que dizer, quando dizer, se tinha uma coisa que Soll tinha certeza era que a mulher que conseguisse conquistar aquele homem seria a pessoa mais sortuda na face da terra. Podia soar infantil, mas parte da loira queria provocar o rapaz que ela sabia que a encarava de vez em quando, ela queria fazê-lo sentir metade do que ela tinha passado quando ele resolver ir embora para continuar a vida boêmia que ele levava. Passou a mão no cabelo de Thomas bagunçando um pouco, de forma íntima, afinal ela podia - Agora sim ta mais bonito, tenho certeza que você chamará a atenção de qualquer uma aqui, e tem umas mulheres bonitas, não tem ninguém que chama sua atenção? - falava bem próxima do rosto dele, de uma forma que quem estivesse de fora tirasse uma conclusão totalmente equivocada dos dois e era essa a reação que ela esperava. Ajeitou a jaqueta em seu corpo, soltando um leve riso divertido para ele - Parece que alguém andou malhando ein - passava a mão em seu braço - Me fala, todos os aurores tem esse físico? Se sim, você poderia me apresentar para algum não? - virou uma última vez o rosto, pegando o exato momento que ele a olhava deu uma leve piscadinha e chamou o garçom que se aproximava - Vou querer outro drink por favor - pedia com um leve sorriso, voltando a encarar Thomas. Contudo não demorou para que ela escutasse a voz de seu passado insultar Thomas, claramente ela tinha conseguido fazer ciumes ne. Apertou a mão do Autor - [color:c077=663300] ele é o dobro do homem que você jamais será darling



Word: | Tags: | Note:



Thanks Diih!


Sollaria Vezzini Vause
Adultos
Galeões : 751

avatar
Adultos

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem por Conteúdo patrocinado
Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Novo TópicoResponder ao tópico
Permissão deste fórum:
Você pode responder aos tópicos neste fórum